Doutor E-commerce

QUAL A IMPORTÂNCIA DO GOOGLE SEARCH CONSOLE

QUAL A IMPORTÂNCIA DO GOOGLE SEARCH CONSOLE

Neste artigo vamos falar sobre o Google Search Console e seu novo relatório de páginas de vídeo

 

Por que o Search Console é tão relevante para os sites?

Vamos imaginar que o Google é uma grande avenida na internet onde os usuários trafegam diariamente (são aproximadamente 8,5 bilhões de buscas por dia) e o Search Console permite conectar o seu site mais facilmente com esse fluxo de usuários e pesquisas.

 

Todos os sites da web independente do segmento de atuação dependem em algum grau do Search Console do Google, pois essa ferramenta ajuda a trabalhar a indexação e a visibilidade das páginas do site nos motores de busca.

Mesmo com todo esse poder a ferramenta é gratuita e pode ser facilmente configurada, por tanto é requisito básico na etapa de implementação e construção de um site ou e-commerce.

 

Quais informações eu encontro nessa ferramenta?

Dentro do Google Search Console existem diversos relatórios e informações relevantes para a maioria dos profissionais digitais de hoje: consultores, webmasters, profissionais de SEO e profissionais de performance.

O seu principal relatório informa quantas impressões, cliques, taxa de cliques e posição médias as páginas do site tiveram nos motores de busca.

Em outros relatórios é possível encontrar mais detalhes sobre as páginas indexadas e não indexadas, identificar erros e melhorias para o site.

 

Recentemente, mais precisamente no mês de maio de 2022 o Google anunciou que um novo relatório seria incorporado no Search Console e a partir de julho do mesmo ano ele ficou disponível para todos. Esse relatório trata das páginas de vídeo dos sites que veremos mais detalhes na sequência.

 

O novo relatório de indexação de vídeos

Com a crescente busca dos usuários por mais conteúdos nesse formato, os vídeos ganharam bastante espaço na internet nos últimos anos e o Google Search Console agora permite os sites melhorarem as indexações desse tipo de conteúdo nos motores de busca.

 

Como o próprio nome já diz, esse relatório é focado nas páginas do site que contém vídeos, ajudando a melhorar a indexação desse tipo de conteúdo dos sites, fornecendo informações relevantes para o profissional responsável.

Quando uma página do site for indexada o Google irá procurar vídeos nela, se for encontrado ele tentará indexar o melhor dentre eles.

Importante: se uma página indexada conter mais do que um vídeo, somente um deles será contabilizado e indexado ao relatório.

 

O relatório abrange somente as páginas indexadas, com as seguintes informações:

– Quantas páginas indexadas do site contém um vídeo indexado pelo próprio Google e detalhes sobre o vídeo.

– Em quantas páginas indexadas do site o Google encontrou um ou mais vídeos, porém não conseguiu indexá-los, mostrando os detalhes e motivos.

 

Como utilizar o relatório de vídeos

Na primeira visualização é possível encontrar informações básicas e relevantes sobre esse conteúdo que posteriormente serão investigadas em uma análise mais detalhada.

A quantidade de vídeos indexados + vídeos não indexados devem ser praticamente iguais ao número de páginas com vídeos no site. Caso esses números não estarem próximos, é possível que uma quantidade significativa de páginas com vídeos não será indexada.

 

Se o seu site já contém uma grande quantidade de vídeos, naturalmente os índices de indexação irão melhorar com o tempo, caso contrário será necessária uma investigação mais detalhada para encontrar o motivo.

É possível também fazer investigações em uma página de vídeo específica, utilizando o relatório de inspeção de URL. Caso um vídeo seja encontrado na página, será possível ver a seção chamada indexação de vídeos nos resultados da inspeção da URL.

 

Quais são os requisitos para indexação dos vídeos?

qual a importância do google search console

 

Para haver a indexação de um vídeo em uma página ele precisa atender à pré-requisitos de qualificação listados a seguir:

– O vídeo precisa estar incorporado em uma página de hospedagem.

– A página que conter o vídeo precisa estar indexada.

– O vídeo precisa estar em destaque na página indexada.

– Tamanho adequado com 140-1080 pixels de largura e 140 pixels ou mais de altura.

– Estar em formato compatível com o Google: 3GP, 3G2, ASF, AVI, DivX, M2V, M3U, M3U8, M4V, MKV, MOV, MP4, MPEG, OGV, QVT, RAM, RM, VOB, WebM, WMV e XAP.

– Os vídeos são indexados utilizando o tipo de rastreador principal do site. É importante que o vídeo seja responsivo com destaque tanto mobile quanto desktop.

– Conter uma miniatura válida e de alta qualidade.

– O vídeo precisa ser reproduzido diretamente na página, sem direcionamento para links externos.

– Conter metadados consistentes (títulos, miniaturas, urls, sitemap…).

 

 Motivos que impedem a indexação de um vídeo

Existem diversos motivos possíveis que impedem um vídeo de ser indexado. Dentre eles vamos citar alguns:

– O Google não conseguiu determinar o vídeo em destaque na página.

– Dificuldades em determinar a posição e tamanho do vídeo.

– Vídeos muito pequenos ou muito grandes.

– URL de vídeo inválida com espaços e protocolos errados.

– Formato de vídeo incompatível com o Google.

– Ausência de URL de miniaturas ou inválidas.

Via de regra para evitar os erros, é fundamental seguir os pré-requisitos diminuindo assim as chances de erros e potencializando a indexação do material.

 

Considerações finais

Como o relatório de vídeos é recente, muito conhecimento, funcionalidades e potenciais otimizações para motores de buscas podem ser explorados, por isso é fundamental que os donos de sites estejam sempre atentos às mudanças e atualizações do Google Search Console garantindo o crescimento e os resultados ao longo do tempo.

 

Vale ressaltar que buscar informações sobre novas atualizações e principalmente de fontes confiáveis é a premissa de estar sempre à frente no mercado e adequando o site às mudanças o mais rápido possível.

 

Para mais detalhes e informações aprofundadas sobre o novo relatório de vídeos do Search Console deixamos a recomendação da leitura da central de ajuda do próprio Google sobre o assunto em https://support.google.com/webmasters/answer/9495631?hl=pt-BR

 

 

Artigo desenvolvido por Bruno Pavan – aluno do MDP

 

 

 

 

 

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos Posts