Doutor E-commerce

Início » Compartilhando informação

Compartilhando informação

A CNN encomendou uma pesquisa global para avaliar o poder das notícias e das recomendações feitas na mídia social. O estudo foi feito online, entre junho e agosto, com 2.300 pessoas e também envolveu análise semiótica, técnicas de neuromarketing e de tracking biométrico, além de uma avaliação da efetividade da publicidade em sites noticiosos.

"Pela primeira vez podemos medir o valor das notícias compartilhadas por uma perspectiva de publicidade", comentou Didier Mormesse, vice-presidente senior de ad sales da CNN Internacional. Com o mix de técnicas empregadas, a pesquisa procurou medir o engajamento das pessoas ao fazerem suas recomendações. E o resultado é que os internautas se envolvem fortemente com o conteúdo e com a publicidade atrelada ao material enviado por amigos e conhecidos de suas redes sociais.

De acordo com esse trabalho, as pessoas que recebem as indicações de conteúdo via mídia social estão 19% mais propensas a recomendar a marca que esteja gravitando em torno daquela história. Um case estudado foi de um bordo de turismo europeu. O escritório fez uma campanha nas ferramentas de compartilhamento de notícias. Seu recall cresceu 50% devido a essa estratégia.

A pesquisa da CNN indica ainda o que é mais compartilhado, segundo o gosto dos internautas. Em relação ao tipo de conteúdo, 65% dos assuntos recomendados se referem a histórias em andamento, 19% se tratam do que se chama de "últimas notícias" e 16% se enquadram no que é considerado engraçado ou bizarro. Quanto à área editorial, os textos mais compartilhados são reportagens de ciência e tecnologia, as relativas a dinheiro e negócios e histórias de "interesse humano".

Outro dado do estudo revela que, em média, os usuários de redes sociais compartilham 13 histórias por semana e recebem 26 histórias na mídia social ou por e-mail. De acordo com a pesquisa, 43% das notícias compartilhadas vêm de sites como Facebook, Twitter e Myspace, 30% chegam por e-mail, 15% por SMS e 12% pelas ferramentas de mensagens instantâneas, como MSN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *